Sulcom Megaútil | Ajuda | Sulcom Ltda
  A B C D E F G H I J K L M N
    O P Q R S T U V W X Y Z
E Ou  
Estrelas - Astronomia - Classificação - Megaútil - Sulcom Ltda
   Estrelas - Astronomia - Classificação

 

Estrelas são corpos celestes de forma esférica dotados de luz própria, com temperatura e pressão elevadas em seu interior. Surgem da contração de nuvens de gases (sobretudo hidrogênio) e poeira do meio interestelar que entram em colapso devido à força da gravidade. A temperatura e a densidade em seu centro aumentam até elas incandescerem e emitirem brilho de cor vermelha. Nessa fase inicial, antes de se acenderem, são chamadas de protoestrelas. Depois de cumprirem uma linha variável de evolução, que oscila de acordo com a massa inicial, elas se desintegram ou apagam, transformando-se em buraco negro. Esse processo demora bilhões de anos. As estrelas podem ser solitárias, como no caso do Sol, mas muitas existem aos pares ou em grupos. Todas pertencem a sistemas maiores chamados galáxias . O universo contém bilhões de galáxias e estas, centenas de bilhões de estrelas, embora só pequena parte seja visível a olho nu. As estrelas variam quanto ao brilho, cor, temperatura, massa, tamanho, composição química e idade. Existem várias formas de classificá-las. A mais usual as separa pelo grau de evolução do processo interno de reações nucleares. Segundo essas fases, elas são chamadas de anãs, gigantes, supergigantes, anãs brancas, novas, supernovas, nêutron e buraco negro.

Anãs - Estão em estágio inicial de evolução. Apesar do nome, não são necessariamente pequenas. O Sol é uma estrela anã. Em geral, as anãs têm raio equivalente ao do Sol (696 mil km). Quando a temperatura no centro das anãs atinge 10 milhões de graus Celcius, desencadeiam-se reações nucleares que vão transformando os núcleos de hidrogênio em hélio e liberando energia.

Gigantes e supergigantes - Em geral são as estrelas no segundo estágio da evolução, embora esse processo não siga uma ordem rigorosa. Continuam a queimar hidrogênio e a produzir hélio, elemento que já existe em sua composição. Quando o hidrogênio acaba, o núcleo se contrai e esquenta, o que provoca queima de hélio. O raio das gigantes é de dez a cem vezes maior do que o do Sol. O das supergigantes é 3 mil vezes maior. Em ambas, a luminosidade é cem vezes superior à do Sol .

Anãs brancas - Chegam a este estágio as estrelas gigantes que na fase anã tinham massa equivalente a até 1,4 da massa do Sol. Ainda na fase gigante elas crescem de tal modo que seu calor interno não é suficiente para esquentar toda a superfície, o núcleo se contrai e as camadas mais externas se soltam. Ao fim desse processo, que dura em geral 70 bilhões de anos, tornam-se anãs brancas. A partir daí, a queima de hidrogênio e hélio diminui, fazendo com que se esfriem e brilhem menos. Essas estrelas são algumas vezes maiores do que a Terra (que é cem vezes menor do que o Sol) e têm densidade milhões de vezes superior à da água.

Novas e supernovas - A nova surge a partir de uma explosão breve e violenta de uma estrela anã branca, responsável por elevar sua luminosidade em até 100 mil vezes. O fenômeno ocorre quando ela faz parte de um sistema binário em que seu par, que era anã, está se tornando gigante e lhe transfere material de suas camadas externas. Essa transferência gera novas reações termonucleares e a explosão. As supernovas são resultado da explosão de estrelas supergigantes que na fase anã têm massa sete vezes superior à do Sol. Nesse processo, elas ganham luminosidade 1 bilhão de vezes maior do que a solar. Geram muita energia e têm temperaturas e pressão extremamente altas em seu núcleo. Em vez de hidrogênio e hélio, são queimados carbono , nitrogênio e oxigênio. Isso cria elementos pesados como o ferro, responsável por explosões de grande intensidade. Nesse processo, a estrela pode explodir completamente e virar buraco negro.

Estrelas de nêutrons - Evolução de estrelas supernovas que na fase anã têm massa de 1,4 a 3 vezes superior à do Sol. Apresentam alta densidade e cerca de 25 km de raio. Nascem da explosão de estrelas supernovas, são constituídas inteiramente por gás de nêutrons e têm giro muito rápido. Possuem forte campo magnético e emitem ondas de rádio e raios cósmicos. Por serem muito pequenas, só são percebidas pelos pulsos das ondas de rádio. Por isso, são chamadas também de pulsares.

 

   Megaútil  |  Ajuda  |  Sulcom Ltda Copyright © 1999 todos os direitos reservados